Ruídografia : festival audiovisual não convencional

Das inquietações e das buscas por linguagens para não apenas nos comunicarmos com São Paulo, mas para revidarmos a esta cidade, surge o Ruídografia.


Composição bordada por motivos ruidosos_________________________cenas ruidosas projetadas por palavra, imagem e som

 

Estática, estouro, linha, pixel, fios, fotografia e oscilações.

  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram

• Rita Alves criou a marca de bordados @donarits e o projeto de intervenções urbanas bordadas @cabemaisamor.

Além de ministrar aulas de bordado livre, também faz parcerias com amigas em oficinas de bordado e literatura.

Em 2019 expôs na Casa Elefante a mostra "Agulhada", com fotos bordadas e foto-objetos.

• gengibre  gera ruídos de uso medicinal. processos digitais e analógicos que se desenvolvem embaixo da terra.

• Laís Perini divide o tempo entre a escrita, a criação de qualquer coisa e a realização de vídeos.

Recentemente deu oficinas de cinema experimental no centro da cidade, algo que voltará a acontecer em breve. Nesse evento abre o processo de pesquisa e experimentação com vídeos-rastro e projeção ao vivo.

Márcio Calixto é poeta,compositor,livreiro e locutor. 

• desconcerta faz rascunhos de noise com osciladores sonoros, baixo e outros objetos ruidosos. 
desconcerta não quer se juntar à sua turma.

• Leticia RMS_Visual Shits é artista visual, ilustradora e designer de produto.

Busca em seus trabalhos artísticos trabalhar com a experimentação de técnicas manuais e digitais na criação de instalações visuais, gifs desanimados, gráficos em movimento, cenografias, intervenções urbanas e tudo que servir de suporte para seu trabalho.

Participou de projetos como a VideoGuerrilha, Sp Urban Digital Festival, Incerteza Invisível (Virada Cultural), Fememória (Galeria de Arte Digital) e outros.

• rosa tem como ponto de partida explorar possibilidades de produção vocal e fônica em seu aspecto sonoro ruidoso, sem descartar a ocorrência da palavra enquanto signo linguístico nem a potência da voz poética. rosa é um projeto de Katharina Cotrim, musicista amadora e estudante de literatura.

• Cindy Lensi é formada em artes visuais, usa a música como linguagem dentro do experimental/livre.

Também é metade do duo cama rosa. 

• Leticia RMS_Visual Shits é artista visual, ilustradora e designer de produto.

Busca em seus trabalhos artísticos trabalhar com a experimentação de técnicas manuais e digitais na criação de instalações visuais, gifs desanimados, gráficos em movimento, cenografias, intervenções urbanas e tudo que servir de suporte para seu trabalho.

Participou de projetos como a VideoGuerrilha, Sp Urban Digital Festival, Incerteza Invisível (Virada Cultural), Fememória (Galeria de Arte Digital) e outros.

Márcio Calixto é poeta,compositor,livreiro e locutor. 

• Oliver Olívia Lagua é artista não binárie da cidade de São Paulo. Sua pesquisa se dá na intersecção da linguagem cênica com as artes visuais e a poesia. Busca em seus trabalhos a dissolução e desconstrução da imagem pessoal, bem como o entendimento das relações interpessoais, os limites da percepção de gênero e do abjeto do ser: o que a "platéia" pode ou quer fazer com a figura que se apresenta em determinado quadro.

A escolha pelas artes do corpo surge na vontade de expor o corpo ao limite e ao desejo do outro, de modo a serem construídas comunhões poéticas, catarses coletivas.

• desconcerta faz rascunhos de noise com osciladores sonoros, baixo e outros objetos ruidosos. 
desconcerta não quer se juntar à sua turma.

• Rita Alves criou a marca de bordados @donarits e o projeto de intervenções urbanas bordadas @cabemaisamor.

Além de ministrar aulas de bordado livre, também faz parcerias com amigas em oficinas de bordado e literatura.

Em 2019 expôs na Casa Elefante a mostra "Agulhada", com fotos bordadas e foto-objetos.

• Eric Marke desenvolve trabalhos de Micro Sound com áudios em loop apresentando uma inferioridade a um décimo de segundo e mais de 10 milissegundos, incluindo a gama de frequências de áudio (20 Hz a 20 kHz) e faixas do tipo “Infrasonic” (abaixo de 20 Hz) onde termina no Terror Noise Music com estados de perturbação ambiental e ruídos de diafonia.

Eric Marke tem experiência em live act desde 1987, onde já trabalhou com centenas de artistas.

• rosa tem como ponto de partida explorar possibilidades de produção vocal e fônica em seu aspecto sonoro ruidoso, sem descartar a ocorrência da palavra enquanto signo linguístico nem a potência da voz poética. rosa é um projeto de Katharina Cotrim, musicista amadora e estudante de literatura.

• gengibre  gera ruídos de uso medicinal. processos digitais e analógicos que se desenvolvem embaixo da terra.

©2016 por Rodrigo Florentino. Criado com Wix.com